Politisches Chaos in BrasilienAus Brasilien erreichte uns folgende Dokumentation (in portugiesisch) zur aktuellen Lage.

06.06.2016 BBC Brasil: Um editorial publicado pelo jornal americano The New York Times questiona a firmeza do compromisso do presidente interino, Michel Temer, com o combate à corrupção.No texto, intitulado "A Medalha de Ouro de Corrupção para o Brasil"., O jornal pede ainda que o novo chefe do governo se posicione contra o fim da imunidade parlamentar para ministros e congressistas acusados de corrupção.

Ministério golpista

Michel Temer, o interino, 75 anos
Estadao 5.5.2016: Temer primeiro Presidente interino com ficha suja:

Condenado por unanimidade pelo Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo (TRE-SP) por doações de campanha acima do limite legal, o vice-presidente, Michel Temer (PMDB-SP), está inelegível pelos próximos oito anos, e tem que pagar uma multa de 80.000,-R$.. Segundo a Procuradoria Regional Eleitoral de São Paulo (PRE-SP), condenações iguais à do vice podem ser enquadradas na Lei Ficha Limpa, que prevê a inelegibilidade de políticos condenados por órgãos colegiados, como é o caso do TRE-SP.“A Lei da Ficha Limpa estabelece, no seu artigo 1º, I, alínea p, a inelegibilidade de candidatos como consequência da condenação em ação de doação acima do limite proferida por órgão colegiado ou transitada em julgado”, diz nota emitida pela PRE-SP no início da noite desta quarta-feira. “O prazo da inelegibilidade é de 8 anos, contados da decisão proferida pelo órgão colegiado ou transitada em julgado, incidindo somente sobre as futuras candidaturas – não há, assim, impacto imediato dese tipo de inelegibilidade sobre os atuais mandatos”, diz a nota.

O presidente interino Michel Temer declarou R$ 7,5 milhões em 2014. Atua no ramo imobiliário, como Gilberto Kassab. Temer já nomeou uma funcionária da vice-presidência para cuidar de sua principal empresa, a Tabapuã Investimentos e Participações, onde ele tem R$ 2,2 milhões em cotas.

Em bens rurais, o interino declarou apenas uma chácara. Ele já teve fazenda em Goiás – vendeu após ser investigado por crime ambiental e multiplicar o tamanho da propriedade, em área de proteção permanente – e é acusado pelo MST de ser o verdadeiro dono de uma fazenda em São Paulo.

"Estadao":Aos 7 anos, Michel Miguel Elias Temer Lulia Filho, é proprietário de pelo menos dois imóveis cujos valores somados superam R$ 2 milhões. O pai, Michel Miguel Elias Temer Lulia, de 75 anos, presidente em exercício da República, passou para o nome do único herdeiro do seu casamento com Marcela Temer (33 anos) dois conjuntos comerciais que abrigam seu escritório político em São Paulo.
Localizados no Edifício Lugano, no Itaim-Bibi, zona sul da capital paulista, cada conjunto tem 196 m² e valor venal de R$ 1.024.802, segundo a Prefeitura de São Paulo – os dados são públicos e podem ser consultados na internet. O valor de mercado costuma ser de 20% a 40% mais alto do que o valor de referência usado pela Prefeitura para calcular o Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU).
Mesmo assim, na declaração de bens que Temer apresentou à Justiça Eleitoral em 2014, cada conjunto é avaliado em apenas R$ 190 mil. Isso é comum nas declarações de políticos, pois os imóveis costumam ser declarados pelo valor de quando foram comprados. A legislação não obriga a atualização do valor.

Quelle: Rovena Rosa ebenfalls Agência Brasil
QUELLE: Rovena Rosa Agência Brasil

Doação

A assessoria de imprensa de Temer informou que a transferência foi feita como doação, uma espécie de antecipação da herança, e que as filhas do presidente em exercício também já receberam imóveis em outros momentos. A assessoria não esclareceu quais imóveis foram doados para as filhas, nem em que data isso ocorreu.
Luciana, Maristela e Clarissa, fruto do primeiro casamento de Temer, são proprietárias de imóveis residenciais na zona oeste de São Paulo, segundo a Prefeitura. A primeira também é dona de um escritório no mesmo prédio onde ficam os imóveis transferidos para seu irmão. Existe mais um filho.

Outros bens

No caso da declaração de bens de Temer apresentada quando foi candidato a vice-presidente na chapa de Dilma Rousseff, a casa que possui na zona oeste de São Paulo também está subavaliada. Em 2014, o presidente em exercício declarou a residência de 415 m² no Alto de Pinheiros, comprada em 1998, por R$ 722.977,41. Na Prefeitura, o valor venal é de R$ 2.875,109. Sobre esse valor incide a cobrança de IPTU. Se a casa e os dois conjuntos do Itaim-Bibi tivessem seu valor corrigido para pelo menos o valor venal, o patrimônio declarado de Temer aumentaria em pelo menos R$ 3,6 milhões e chegaria a um total de mais de R$ 11 milhões. Isso não inclui outra casa, de R$ 1.434.558, no bairro do Pacaembu, pela qual ele responde a uma ação por não pagamento de IPTU, e que Temer diz ter vendido. O patrimônio do presidente interino cresceu rapidamente desde 2006. Naquele ano, Temer foi candidato a deputado federal e declarou bens no valor de R$ 2.293.645,53. Se corrigido pelo IGP-M da Fundação Getúlio Vargas, eles corresponderiam, em 2014, a R$ 3.678.526,22. Porém, seu patrimônio declarado à Justiça Eleitoral em 2014 já havia crescido para R$ 7.521.799,27. Ou seja, mais do que dobrou acima da inflação entre duas eleições – e isso sem levar em conta a valorização dos imóveis.

Veja aqui a ficha corrida dos ministros indicados por Michel Temer para compor o seu governo interino: so brancos, so homens, fichas sujas...

Michel Temer ocupou a presidencia dando posse aos ministros que ele escolheu diretamente para compor o seu governo. Ele conta com pessoas vindas de 11 diferentes partidos.

Dos 23 primeiros indicados, sete são investigados pela Lava Jato. Não há uma única mulher ou negro como parte do primeiro escalão. O que acusaram Dilma de tentar fazer com Lula, Temer fez com sete novos ministros.

Entre os golpistas tem general das Forças Armadas, latifundiário, acusado de envolvimento com o crime organizado, acusados dos mais diversos crimes, desde improbidade administrativa, lavagem de dinheiro  até fraude em licitações etc.

Veja aqui a lista:

1.) Justiça e Direitos Humanos: Alexandre de Morais; foi advogado particular de Cunha,secretário de segurança do governo de São Paulo de Geraldo Alckmin (PSDB). Segundo denúncias é ex-advogado do PCC( Primeiro Comando da Capital (de Sao Paulo), maior orgaisação criminosa de traficantes de drogas) e sofre diversos processos em SP. Foi o responsável pela dura repressão contra manifestações em São Paulo, desde as grandes mobilizações contra o aumento da passagem, de secundaristas, professores e outros. Para ele, “movimentos de esquerda devem ser combatidos”.

Secretaria das mulheres: ex-deputada, Fatima Pelaes

DCM em 24/5/2016

A ex-deputada Fátima Pelaes (PMDB/AP) vai assumir a Secretaria das Mulheres, subordinada ao Ministério da Justiça. O nome dela foi indicado ao interino Michel Temer pela bancada feminina na Câmara dos Deputados e ele aceitou a sugestão sem pestanejar.

Fátima obedece ao padrão Temer: é ficha sujíssima. Em 2011, O Globo deu algumas matérias sobre ela:

A deputada Fátima Lúcia Pelaes (PMDB/AP), acusada de se beneficiar de fraudes no Ministério do Turismo, teve um aumento de 125% em seu patrimônio entre 2006 e 2010. A inflação do período foi de 20,6%. Os dados constam das declarações de bens apresentadas à Justiça Eleitoral. Segundo depoimentos de três detidos pela Polícia Federal na Operação Voucher, ela teria recebido parte do dinheiro desviado para projetos no Amapá.

Na última eleição que disputou, em 2010, Fátima informou ter patrimônio de R$323.364,33. Seu principal bem é uma casa, num terreno de 720 metros no bairro Jardim Equatorial, em Macapá, avaliada, em sua declaração de bens, em R$195.476. A parlamentar declarou possuir três carros: um Vectra de ano não informado, avaliado em R$55 mil, um Fiat Stilo 2007, avaliado em R$33.490,53, e uma picape Ford Courrier 2006, avaliada em R$35.699,04. A deputada também tinha, em 2010, R$3.070,94 numa conta corrente no Banco do Brasil, R$537,47 na Caixa Econômica Federal e R$90,35 em caderneta de poupança do Banco do Brasil.

Quatro anos antes, quando se elegeu para o quarto mandato de deputada, informara ter patrimônio de R$143.245,87. O principal bem era a mesma casa de Macapá, então declarada por R$105.476. Ela tinha naquele ano um Uno Mille 2004, avaliado em R$12.999,69, e um Ford Fiesta 2004, avaliado em R$24.770,18.

O presidente provisório Michel Temer (PMDB) errou outra vez ao escolher a ex-deputada federal Fátima Pelaes (PMDB-AP) como secretária nacional de políticas para as mulheres. Ela seria uma indicação do deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

Assim como seu padrinho político presidente da Câmara afastado, a futura secretária é contra o aborto em casos de estupro. Sua postura é considerada “machista” pelas ativistas de entidades que lutam pela igualdade de gênero.

Portanto, a posição de Fátima Pelaes se choca com os movimentos em defesa da dignidade das mulheres e se aproxima da “bancada fundamentalista” da Câmara, que tem como expoentes os deputados Marcos Feliciano (PSC-SP) e Jair Bolsonaro (PSC-RJ).

A escolha da nova secretária pelo presidente interino tem ao menos três vícios de origens: 1- trata-se de uma indicação política de Cunha; e 2- a ex-deputada Fátima Pelaes representa o ‘fundamentalismo’ religioso da Câmara, que é contra políticas públicas em defesa da saúde das mulheres e contra a livre família; 3- a escolha da secretária ocorre num momento em que o país está comovido pelo estupro coletivo de uma jovem, no Rio, que motivou o Senado a tipificar esse tipo de crime.

Os demais erros de Temer ficaram evidenciados na nomeação de ministros investigados pela Lava Jato e outros crimes. Dois deles — Romero Jucá (PMDB-RR) e Fabiano Silveira — já foram defenestrados do Planejamento e da Transparência, respectivamente.

2.) Agricultura: Blairo Maggi (PR/MT); hoje do PP-MT, deixou o PR para poder assumir a pasta. É investigado por lavagem de dinheiro na Operação Ararath; é o maior produtor de soja no mundo e conhecido como sendo um dos maiores desmatadores de terra do País,Blairo Maggi (PP) R$ 143.272.924,99*

3.) Cidades: Bruno Araújo,44, advgado, (PSDB/PE), recebeu dinheiro de empresas investigadas na Lava Jato. Teve o nome citado na lista de pagamentos feitos pela Odebrecht, referente às campanhas eleitorais de 2010 e 2012.

4.) Trabalho: Ronaldo Nogueira de Oliveira (PTB-RS); indicado de Roberto Jefferson, presidente nacional do PTB, que negociou o cargo com Temer. Ronaldo Nogueira (PTB) – Trabalho – R$ 86.030,00

5.) Casa Civil: Eliseu Padilha,70, (PMDB/RS); indiciado por crime em licitações e formação de quadrilha.

6.) Secretaria de governo – Articulação: Geddel Vieira Lima (PMDB/BA); acusado de receber dinheiro de empreiteiras. Citado na operação Lava Jato, é suspeito de usar sua influência para atender a interesses da construtora OAS na Caixa Econômica Federal, banco do qual foi vice-presidente de Pessoa Jurídica.Geddel Vieira Lima (PMDB) – Secretaria de Governo – R$ 5.971.124,61

Geddel Vieira Lima – 9.047 hectares

7.) Fazenda: Henrique Meirelles, 70, (PMDB, ex-PSDB/GO); acusado por sonegação de impostos filiou-se antes da indicação. Foi presidente do BankBoston e esteve à frente do banco Original, do grupo JBS. Presidiu o Conselho da J&F Investimentos e era membro do Conselho do Lloyd’s de Londres e do Conselho de Administração da Azul Linhas Aéreas.

8.) Relações exteriores: José Serra,74, (PSDB/SP); não é necessário maiores apresentações. O tucano foi prefeito da cidade de São Paulo e governador do estado. Tem 17 processos na justiça eleitoral, 3 processos por improbidade administrativa etc. Virou motivo de piada quando deu entrevista ao jornalista Boris Casoy e se referiu ao Brasil como Estados Unidos do Brasil, e não República Federativa do Brasil. José Serra (PSDB) – Relações Exteriores – R$ 1.553.822,22

Passaporte Diplomatica

Quelle: Fernando Frazao/Agência Brasil
QUELLE: Fernando Frazao/Agência Brasil

9.) Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações: Gilberto Kassab,55,Engenheiro, impresario, Corretor imobilhario (ex-Maluf, ex-Serra e ex-Dilma), fundador do PSD para combater o PMDB. Ex-prefeito de São Paulo, denunciado por improbidade administrativa quando, como secretário de Planejamento do ex-prefeito Celso Pitta seu patrimônio aumentou 316% acima da inflação; seu mandato de prefeito foi cassado em 2010 por suspeita de recebimento de doações ilegais na campanha de 2008; também foi denunciado por contratar, como prefeito de São Paulo, uma empresa para inspeção de veículos poluidores, a Controlar. Inexplicavelmente, reverteu todas as acusações na Justiça paulista.

Gilberto Kassab (PSD) – Comunicação, Ciência – R$ 6.536.140,32

10.) Assessor especial da Presidência: Sandro Mabel (PMDB/GO); investigado por fraude no pagamento de auxílio-creche e vale transporte. É autor do famigerado Projeto de Lei 4330 de 2004, que acaba com a legislação trabalhista em nome de uma suposta regulamentação da terceirização.

11.) Educação: Mendonça Filho, 49, administrador, (DEM/PE); é um dos líderes do movimento pró-impeachment. É acusado de receber 100 milhões da Camargo Correia de acordo com a operação Castelo de Areia. Seu partido o DEM é o autor de ação que questionou na justiça as cotas raciais nas universidades públicas doPaís. Mendonça Filho (DEM) – Educação, Cultura – R$ 1.649.203,71

12.) Defesa: Newton Cardozo Jr. (PMDB/MG); teve seus bens e de seu pai bloqueados pela PF por emissão de notas fiscais falsas.

13.) Desenvolvimento Social: Osmar Terra (PMDB/RS); cometeu irregularidades nas gestões de Terra na Secretaria de Saúde em uma prefeitura e o condenou a pagamento de multa

14.) Esportes: Leonardo Picciani, 36, advogado, (PMDB/RJ); investigado por crime eleitoral, era considerado aliado de Dilma, pois não seguiu a orientação do partido e votou contra o impeachment na Câmara dos Deputados.Leonardo Picciani (PMDB) – Esporte – R$ 7.259.014,81

As terras de Leonardo Picciani estão em nome de uma empresa, a Agrobilara. E, portanto, a Justiça Eleitoral não registra a quantidade de terras que o ministro possui. Mas uma das fazendas incorporadas ao grupo, em São Félix do Araguaia (MT), a Karajás, já foi declarada pelo pai de Leonardo, Jorge Picciani, por 9.974 hectares. Mendonça Filho também tem empresa agropecuária, incorporada à Vale do Cumbre Participações.

15.) Planejamento Desenvolvimento e Gestão: Romero Jucá (PMDB/RR); investigado por receber propina e desvios de dinheiro na Lava Jato.  é alvo de dois inquéritos no Supremo Tribunal Federal (STF). A suspeita é de recebimento de propina de contratos do setor elétrico disfarçada de doação eleitoral a seu filho, que disputou o cargo de vice-governador de Roraima em 2014. Jucá também é investigado no principal inquérito da Lava Jato no STF, que apura formação de quadrilha no esquema de desvios da Petrobras. Esteve à frente da saída do partido do governo Dilma.

Romero Jucá (PMDB) – Planejamento – R$ 607.901,41

Somente cinco não são milionários. Mas um deles já foi: Romero Jucá. O ministro do Planejamento transferiu a maior parte dos bens, nos anos 90, para os filhos. Um deles, Rodrigo Jucá, declarou à Justiça Eleitoral possuir R$ 4,45 milhões.

Substituto: Dyogo Oliveira, investigado na operacao Zelotes, nao tem forro priveligiado,

16.) Defesa: Raul Jungmann, 64, (PPS-PE); deputado federal e ex- ministro de FHC, foi investigado por fraude em licitação, peculato e corrupção em contratos de publicidade entre 1998 e 2001, período em que era ministro. Se tratava de um valor de ca.33 millioes R$. O processo foi aquivado em 2011 por demora da Justica Federal; nao pudia mais aplicar a pena se o caso fosse julgado. As Forcas Armadas queriam um militar.

Raul Jungmann (PPS) – Defesa – R$ 38.459,47

Raul Jungmann, o mais pobre entre os ministros, foi ministro do Desenvolvimento Agrário durante o governo Fernando Henrique Cardoso. Uma de suas bandeiras era o combate à grilagem.

17.) Casa Civil: Eliseu Padilha,70, (PMDB-RS); em 2015 livrou-se de um inquérito por peculato (desvio de recurso por funcionário público) graças a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF). Era investigado pela contratação de uma funcionária fantasma em seu gabinete na Câmara.

18.) Fiscalização, Transparência e Controle (antiga Controladoria Geral da União-CGU): Fabiano Augusto Martins Silveira; foi conselheiro do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) no biênio 2011-2013.

19.) Advocacia Geral da União-AGU: Fábio Osório Medina; ex-promotor de Justiça do Rio Grande do Sul. Chegou a ser convidado, por senadores da oposição ao governo Dilma, a falar na comissão especial do impeachment no Senado.

20.) Minas e Energia: Fernando Coelho Filho (PSB-PE): votou a favor do impeachment na Câmara e é filho do senador Fernando Bezerra Coelho (PSB-PE), que votou a favor abertura do processo de impeachment no Senado.

21.)  Integração Nacional: Helder Barbalho (PMDB-PA); ex-prefeito de Ananindeua (PA), é acusado de improbidade administrativa por envolvimento em esquema de desvio de cerca de R$ 2,78 milhões do Sistema Único de Saúde (SUS) utilizando contratos irregulares com empresas “fantasmas” entre 2005 e 2012.Helder Barbalho (PMDB) – Integração Nacional – R$ 2.337.676,77

22.) Meio Ambiente: Sarney Filho58, (PV-MA); volta à pasta que ocupou entre 1999 e 2002, no governo de Fernando Henrique Cardoso. Foi um dos investigados pelo Ministério Público por usar sua cota de passagens áreas para voar ao exterior com a mulher e o filho.

23.)  Turismo: Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN); citado na Lava Jato, passa a ter foro privilegiado com o cargo.Henrique Eduardo Alves (PMDB) – Turismo – R$ 12.414.019,98
 Ex-deputado federal por onze mandatos, Henrique Eduardo Alves é tido como o mais próximo de Temer, seu amigo pessoal. Com passagem pelo MDB, está no PMDB desde a sua fundação.

24.) Transportes, Portos e Aviação civil: Maurício Quintella (PR-AL); foi investigado e condenado em 2014 por envolvimento em um esquema de desvio de dinheiro da merenda escolar no seu Estado quando era secretário da Educação entre 2003 e 2005. Ele recorre da decisão.                                                      Maurício Quintella (PR) – Transportes – R$ 959.940,12

25.) Indústria e Comércio: Marcos Pereira (PRB); bispo licenciado da Igreja Universal chegou a ser cotado para o ministério da Ciência e Tecnologia o que gerou péssima repercussão para Temer. Ele já foi vice-presidente da TV Record, que pertence à Universal.

26.)  Desenvolvimento Social e Agrário: Osmar Terra (PMDB-RS); para se ter uma ideia da sua posição a favor da repressão contra drogas e tráfico, é radicalmente contra a proposta de descriminalização da maconha e a favor da internação compulsória de dependentes químicos em determinadas circunstâncias.                                                                                                                                                                                                                                                                  Osmar Terra (PMDB) – Desenvolvimento Social e Agrário – R$ 421.901,69

27.) Saúde: Ricardo Barros,56, Engenheiro, Empresario, (PP-PR); relator do Orçamento 2016, o deputado Ricardo Barros defendeu corte de R$ 10 bilhões no Bolsa Família. Um inquérito no STF investiga orientação para direcionar licitação de publicidade da prefeitura de Maringá, no valor de R$ 7,5 milhões.

Ricardo Barros – 5.204 hectares

Suplente de Barros: Osmar Bertoldi, DEM, Deputado Federal, preso por estrupro desde Fevereiro 2015, Jose Carlos Araujo PR-BA do Conselho de Etica disse: Em liberdade Bertoldi ate poderia tomar posse.

28.) Gabinete de Segurança Institucional: General Sérgio Etchegoyen; pasta que Temer decidiu recriar o GSI, como o antigo SNI da ditaruda militar, pretende “reestruturar o sistema de inteligência do país”. “É filho do general Leo Guedes Etchegoyen, morto em 2003, um dos 377 agentes do Estado listados pela Comissão da Verdade como responsáveis por crimes na ditadura. Sérgio Etchegoyen foi um dos primeiros integrantes do Alto Comando do Exército a criticar o trabalho da Comissão após a divulgação do relatório, chamando-a de ‘leviana'”.

29.) Controladoria Geral da Uniao hoje: Transparencia, Fiscalisacao e Controle: Fabiano Silveira- afastado em Maio 2016

Postado por Agência PT, em 30 de maio de 2016 - A declaração é uma menção a Fabiano Silveira, o segundo ministro a deixar o governo golpista de Michel Temer depois de ver divulgados áudios comprometedores de conversas com Sergio Machado, ex-presidente da Transpetro. Silveira ocupava a pasta de Transparência, Fiscalização e Controle e se somou a Romero Jucá (ex-Planejamento), pego em diálogo articulando para “estacar a sangria” da Operação Lava Jato.

Carlos Higino (Substituto interino) foi titular da pasta durante o governo de Dilma Rousseff (PT). Ele é conhecido no Distrito Federal pelo trabalho realizado como secretário de Transparência entre 2011 e 2012, na gestão de Agnelo Queiroz (PT). Um de seus projetos implementados foi o de combate ao nepotismo. Na época, 22 processos desse tipo foram abertos.

A presidenta eleita, Dilma Rousseff, declarou nesta segunda-feira (30) que foi seu governo o responsável por criar a Lei da Transparência (Lei nº 12.257/2011), que regulamentou o direito às informações públicas pela sociedade, e que nunca teve um ministro da Controladoria-Geral da União (CGU) afastado do cargo.“Nunca tivemos ministro da Controladoria Geral da União afastado, o ministro da CGU nunca deixou de fazer sua função, de dar transparência ao governo”, disse Dilma. “Fizemos o site da transparência e quando eu vi que eles tinham criado um Ministério da Transparência, eu fiquei pensando [o que queriam]. E então [com as gravações] eu tive a certeza de que se tratava de esconder a transparência, torná-la opaca.”

Do Blog do Alceu Castilho

Ministros de Temer possuem R$ 200 milhões e 250 mil hectares

Por Alceu Luís Castilho (@alceucastilho)

Apenas 5 dos 23 escolhidos não são milionários; fortunas estão principalmente na agropecuária; vários deles descendem de tradicionais famílias da oligarquia do NE

Dezoito dos 23 ministros escolhidos pelo presidente interino Michel Temer declararam à Justiça Eleitoral possuir R$ 198 milhões. Os outros cinco não concorreram a cargos eletivos nos últimos anos e ainda não divulgaram a relação de bens. Vejam a relação:

Blairo Maggi (PP) – Agricultura – R$ 143.272.924,99*
Henrique Eduardo Alves (PMDB) – Turismo – R$ 12.414.019,98
Leonardo Picciani (PMDB) – Esporte – R$ 7.259.014,81
Gilberto Kassab (PSD) – Comunicação, Ciência – R$ 6.536.140,32
Sarney Filho (PV) – Meio Ambiente – R$ 4.752.376,77
Bruno Araújo (PSDB) – Cidades – R$ 3.156.779,35
Fernando Coelho (PSB) – Minas e Energia – R$ 1.140.Geddel Vieira Lima (PMDB) – Secretaria de Governo – R$ 5.971.124,61
Helder Barbalho (PMDB) – Integração Nacional – R$ 2.337.676,77
Ricardo Barros (PP) – Saúde – R$ 1.821.481,39
Mendonça Filho (DEM) – Educação, Cultura – R$ 1.649.203,71
José Serra (PSDB) – Relações Exteriores – R$ 1.553.822,22
Maurício Quintella (PR) – Transportes – R$ 959.940,12
Romero Jucá (PMDB) – Planejamento – R$ 607.901,41
Osmar Terra (PMDB) – Desenvolvimento Social e Agrário – R$ 421.901,69
Ronaldo Nogueira (PTB) – Trabalho – R$ 86.030,00
Raul Jungmann (PPS) – Defesa – R$ 38.459,47

Total: R$ 196.667.248,25
* Dados de 2010. Todos os demais são relativos ao ano de 2014.

Somente cinco não são milionários. Mas um deles já foi: Romero Jucá. O ministro do Planejamento transferiu a maior parte dos bens, nos anos 90, para os filhos. Um deles, Rodrigo Jucá, declarou à Justiça Eleitoral possuir R$ 4,45 milhões.

ESPLANADA DOS RURALISTAS

A maior parte dos bens é rural. A começar pelo patrimônio de Blairo Maggi, um dos maiores produtores de soja do mundo. Mas também temos pecuaristas, como Leonardo Picciani (uma de suas fazendas já esteve na lista suja do trabalho escravo) e Geddel Vieira Lima. A fortuna de Jader Barbalho (PMDB), pai do ministro Helder Barbalho, foi multiplicada na pecuária. Fernando Coelho, Mendonça Filho, Sarney Filho e Henrique Eduardo Alves pertencem a famílias tradicionais da oligarquia nordestina.

O grupo Amaggi planta 224 mil hectares de soja, milho e algodão. Vejamos a quantidade de terra declarada em 2014 por outros ministros de Temer:

Geddel Vieira Lima – 9.047 hectares
Ricardo Barros – 5.204 hectares

As terras de Leonardo Picciani estão em nome de uma empresa, a Agrobilara. E, portanto, a Justiça Eleitoral não registra a quantidade de terras que o ministro possui. Mas uma das fazendas incorporadas ao grupo, em São Félix do Araguaia (MT), a Karajás, já foi declarada pelo pai de Leonardo, Jorge Picciani, por 9.974 hectares. Mendonça Filho também tem empresa agropecuária, incorporada à Vale do Cumbre Participações.

06.06.2016 –Brasil 24/7

Diante das novas delações e gravações vazadas da Lava Jato, o governo interino de Michel Temer promete afastar nomes envolvidos no esquema de corrupção da Petrobras; “Na Lava Jato, se aparecer alguém do governo, já se sabe qual a posição do presidente: é que a pessoa deixe a equipe. Portanto, [o governo] não será atingido diretamente de nenhuma forma, fica preservado”, disse o ministro-chefe da Casa Civil; em outras medidas defendidas pelo governo interino estão a revisão das regras para exploração do pré-sal, a total abertura das empresas aéreas para grupos estrangeiros e a possível liberação da compra de terras por estrangeiros